Imprensa

Araçari de bico branco é devolvido à Mata Atlântica por profissionais da Arteris Fluminense

1 de julho de 2021

Ave foi encontrada atordoada no acostamento da BR-101, na região de Macaé, pela equipe de inspeção de tráfego da Arteris Fluminense. Desde então, recebeu cuidados especiais numa clínica veterinária até ser solto, na tarde do dia 18, na Mata Atlântica

Além da segurança viária, a Arteris Fluminense zela pelo meio ambiente e pela fauna que habita o entorno da rodovia. No último dia 17, um Araçari de Bico Branco (Pteroglossus Aracari) foi encontrado no acostamento do km 165 sul da BR-101/RJ, na região de Macaé, pela equipe que fazia a inspeção de tráfego rotineira da rodovia. A ave, de uma espécie rara e em extinção no Estado do Rio de Janeiro, foi recolhida pelo inspetor Anderson Climaco Gonçalves e encaminhada para uma clínica veterinária conveniada da concessionária, na região de Itaboraí. Por lá, foi constatado que o animal estava sem ferimentos aparente, mas com dificuldades para alçar voo.

Do Centro de Controle Operacional da Arteris Fluminense, localizado em São Gonçalo, a operadora Dayana Portugal foi responsável pela condução da operação junto ao meio ambiente da concessionária. Com seis anos de experiência no CCO, ela destaca a integração e o aprendizado contínuo das equipes envolvidas na ocorrência. “Após identificar que se tratava de um animal silvestre, consultamos o coordenador de meio Ambiente, Marcello Guerreiro, que passou todos os detalhes sobre a espécie. Como a BR-101 atravessa importantes unidades de conservação, habitat de espécies nativas da Mata Atlântica, nossa equipe de atendimento atuou para mitigar os impactos ambientais, aplicando os procedimentos de captura e de transporte da ave com segurança até a unidade veterinária”, comentou.

Cuidados com a segurança

Era um plantão tranquilo no turno do inspetor de tráfego Anderson Gonçalves. Após realizar o retorno no Trevo dos Quarenta, no km 144 da BR-101, em Macaé, ele seguiu em inspeção no sentido sul da rodovia até avistar um animal desorientado no acostamento do km 165 sul. Preocupado com a segurança dos usuários e do animal, que poderia se assustar com sua aproximação e sair para a faixa de rolamento, estacionou a viatura numa distância segura e seguiu caminhando lentamente até a ave pela faixa de domínio. “As cores do animal – o bico branco e o peito amarelo – contrastava com o tom cinza escuro do pavimento da rodovia. Isso ajudou na identificação de dentro do veículo. Me aproximei com cuidado, fiz o registro fotográfico, compartilhei com o CCO e solicitei o apoio da equipe com a gaiola. Esperei o fluxo da rodovia acalmar e fiz o resgate da ave com segurança”, comentou Anderson.

Há dez anos na Arteris Fluminense, Anderson destaca a atitude colaborativa – um dos valores da Arteris -, a qualificação da equipe para garantir os tratos necessários em caso de avistamento ou ocorrências envolvendo a fauna e a proximidade dos gestores no dia a dia como fundamentais para um prestar um trabalho de qualidade. “Participei treinamentos nesse período que contribuíram para minha formação profissional. A operação da rodovia funciona como uma engrenagem e há uma troca de experiências entre as equipes e gestores. O trabalho desenvolvido nessa ocorrência será compartilhado com as demais equipes visando a melhoria contínua no nosso atendimento”, finalizou.

O retorno ao habitat natural

A tarde de 18 de junho marcou o dia de devolver o Araçari de Bico Branco ao seu habitat. Profissionais da Arteris Fluminense providenciaram a logística para levá-lo para mesmo local em que foi encontrado e fizeram a soltura, numa região de Mata Atlântica cortada pela rodovia.

“A BR-101 apresenta um desafio peculiar para a sua operação. Esta rodovia cruza unidades de conservação federais, que possuem o objetivo de preservar a biodiversidade de uma região importante do estado do Rio de Janeiro. Os colaboradores que atuam diariamente nesta operação entendem a importância de mitigarmos nossos impactos ambientais, atuando de forma preventiva, tornando nossa operação sustentável e preocupada com a preservação da natureza. O atendimento dessa ocorrência demostra o quanto o nosso Sistema de Gestão Ambiental e nossa Política de Meio Ambiente estão difundidos por toda a concessionária”, finaliza o coordenador de meio ambiente da Arteris Fluminense e integrante do conselho consultivo das Rebios (Reservas Biológicas) Poço das Antas e União, Marcello Guerreiro.

 

Anderson seguiu todos os procedimentos para não espantar o animal

 

Dayana Portugal trabalha no CCO há seis anos

Sobre a Arteris Fluminense – Concessionária responsável pela gestão dos 322 quilômetros da rodovia BR-101/RJ, conectando pessoas e dinamizando o transporte de cargas entre a Ponte Presidente Costa e Silva, em Niterói (RJ), e a divisa entre os estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Desde o início da concessão, em 2008, a Arteris Fluminense investiu mais de R$ 3,3 bilhões em obras que proporcionaram mais segurança aos motoristas e desenvolvimento regional. A concessionária preza pela qualidade na prestação de serviços e possui uma grande infraestrutura à disposição de quem trafega pela rodovia, composta por 107 câmeras de monitoramento, 7 bases operacionais, 10 guinchos leves, 3 guinchos pesados, 2 caminhões pipas, 7 viaturas de inspeção, 1 motocicleta, 11 veículos de resgate, sendo 4 com estrutura de UTI móvel, entre outros. É uma das concessionárias da Arteris, empresa especializada em gestão de rodovias, com 3.200 quilômetros de vias em cinco Estados.

 

 

 



Mais noticias

Ver todas