• 16/01/2015

    Régis Bittencourt tem redução de 26% em acidentes fatais

    A Autopista Régis Bittencourt, concessionária do Grupo Arteris, registrou redução de 26% no número de mortes em 2014 na comparação com o mesmo período de 2013. Este ano, de janeiro a dezembro, foram registradas 130 mortes na rodovia, frente a 175 ocorrências do mesmo tipo ocorridas no ano passado. Os acidentes fatais também apresentaram redução de 18,4% no mesmo período e os outros tipos de acidentes - com feridos e sem vítimas -, no total, também registraram uma redução de 3,2% em relação a 2013. Desde o início da Concessão, em 2008, este é o menor número de vítimas fatais registrado em um ano.

     

      2013 2014 Redução
    Acidentes Fatais 146 119 18,4%
    Vítimas Fatais 175 130 26%

     

     

    As ocorrências mais comuns na BR-116, entre São Paulo e Curitiba, em 2014, foram os atropelamentos, seguidas das saídas de pista, as colisões traseiras e os choques com objeto fixo (barreiras de concreto e muretas). Desde 2011, a Concessionária vem registrando importante redução de acidentes na rodovia na comparação ano a ano:

     

     

    Número de acidentes
    2011 2012 2013 2014
    6.823 6.504 5.764 5.581

     

     

    Investimentos

     

     

    Desde 2008, a Concessionária investiu mais de R$ 1,9 bilhão em melhorias e na operação da rodovia. Neste ano, um dos focos foi a implantação de equipamentos para a iluminação da rodovia, obra que contribui diretamente para a segurança na via. Foram iluminados cerca de 50 pontos na rodovia, entre marginais, acessos, trevos e passarelas. Os dispositivos também foram implantados em conjunto com o reforço de sinalização vertical e horizontal para o tratamento de pontos críticos de acidentes, que foi o caso do trecho entre o km 31 e km 32 da pista sentido São Paulo, conhecido como Curva da Cigana, em Campina Grande do Sul (PR).

     

     

    A Concessionária concluiu também doze obras de novos trevos em desnível, que permitem os movimentos de retorno na rodovia e o acesso a bairros e municípios de forma segura, atendendo o tráfego urbano e rodoviário e evitando que os usuários façam o cruzamento pela rodovia. A segurança viária será reforçada também com a conclusão das obras de vias marginais nos municípios de Juquiá, Miracatu, Colombo, Quatro Barras e Campina Grande do Sul.

     

     

    Em 2014, houve ainda o início de dez obras de novos viadutos para passagem superior. São seis obras na região entre Itapecerica da Serra e Juquitiba (SP) e um novo trevo na região de Miracatu (SP), além de três obras na região de Colombo (PR).

     

     

    Duplicação da Serra do Cafezal

     

     

    Em 2014, a Concessionária liberou ao tráfego 6,5 quilômetros de pista nova duplicada na Serra do Cafezal, na região de Miracatu (SP). Com esses novos trechos concluídos e liberados, a Concessionária já entregou, ao todo, 17,5 quilômetros de pista nova, o que representa 60% do total das obras de duplicação.

     

     

    A liberação das pistas novas, além de minimizar as ocorrências de congestionamentos, também vem surtindo efeito quanto ao número de acidentes e mortes neste trecho da rodovia. Desde 2010, quando foram iniciadas as obras de implantação da segunda pista, houve uma significativa redução de mortes, chegando a 50% em 2013.

     

     

    Atualmente as obras de duplicação acontecem em um segmento de 4,5 quilômetros, em trechos intercalados, em ambos os sentidos da rodovia, com a construção de três túneis e cinco viadutos. Um trecho de aproximadamente 8 quilômetros, na parte central da Serra do Cafezal, receberá obras em 2015 e será iniciada a construção do quarto e último túnel, na altura do km 349, em Miracatu (SP).

     

     

    Rodovia monitorada 24 horas

     

     

    A Concessionária presta ainda serviços de atendimento aos usuários com socorro médico e mecânico, inspeção de tráfego e atendimento 24 horas via 0800. Existem 10 Bases Operacionais distribuídas ao longo da rodovia e uma equipe composta por 400 profissionais e 50 veículos operacionais, que monitoram a rodovia constantemente. O sistema de monitoração do tráfego conta ainda com Circuito Fechado de TV (CFTV), com a operação de 196 câmeras, o que representa 80% de cobertura da pista. Além das câmeras, o sistema de monitoração contempla duas estações meteorológicas, 8 painéis de mensagens variáveis fixos e seis painéis de mensagens variáveis móveis.

     

     

    Foco na redução de acidentes

     

     

    Este ano, a Arteris criou o GERAR - Grupo Estratégico de Redução de Acidentes, no qual a Autopista Régis Bittencourt, juntamente com outras oito empresas do grupo, atuará no monitoramento dos pontos mais críticos das rodovias sob sua administração, além de promover ações preventivas e atuações conjuntas com Polícia Rodoviária Federal e Polícia Rodoviária Estadual de São Paulo, visando a redução da fatalidade dos acidentes rodoviários. Até 2020, a Arteris tem a meta de reduzir esse índice em 50% nas rodovias que administra.